Zoofilia é tema de livro de contos de professor da UFSCar, com lançamento na próxima terça-feira, dia 10

Zoofilia é tema de livro de contos de professor da UFSCar, com lançamento na próxima terça-feira, dia 10

Obra foi publicada pela Editora da Universidade Federal de São Carlos

O agir animalesco ou que se relaciona de alguma forma com – e como – os bichos, retratado como uma paixão, que vai além do que a maioria pensa. Assim pode ser introduzido o tema central do livro “Histórias zoófilas e outras atrocidades”, do professor Wilson Alves-Bezerra, do Departamento de Letras (DL) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), que tem lançamento em São Carlos na próxima terça-feira, dia 10.
Este é o primeiro livro de contos de Alves-Bezerra.

A obra está sendo publicada em co-edição entre a EdUFSCar e a Oitava Rima Editora. Na obra, as particularidades da Zoofilia são reveladas em histórias contagiantes, com dramas, diálogos e pensamentos próprios. São os quatro capítulos – Hagiografia Profana, Histórias Zoófilas, Outras Atrocidades e Romance Familiar – que abrigam dezenove contos. Para José Luis Martínez Amaro, professor de Literaturas Hispânicas da Universidade de Brasília (UnB), que assina a orelha da obra, cada uma das histórias, independentes entre si, dão liga à uma unidade temática, abordam questões religiosas, sobrenaturais e cotidianas.

Todas elas, segundo ele, empregam um pano de fundo realista para derramar o fantástico à moda do argentino Borges. “Sua escrita enlaça um contemporâneo que dialoga comodamente com o [século] dezenove – esse fim de século hispânico que está próximo de Machado de Assis, Euclides da Cunha, Lima Barreto, Guimarães Rosa, Osman Lins e Hilda Hilst”, diz o professor no prefácio. Também de acordo com Amaro, a zoofilia pode oscilar entre aquele que “escuta harmonias no canto dos pássaros e o bruto livre que mata e que massacra”.

Ao falar sobre o livro, Alves-Bezerra o relaciona tanto a atividade pulsional da escritura quanto ao cotidiano de leituras relacionadas ao gosto pessoal e à universidade. Neste sentido, a obra é perpassada por inspirações em Horacio Quiroga, Julio Cortázar, Edgar Allan Poe, Jorge Luis Borges, Hilda Hilst, Ricardo Piglia e Charles Baudelaire. Segundo o autor, o mote dos contos é a animalidade humana, em sentido amplo. “Falo das paixões que nos arrebatam, o amor, a morte, a religiosidade, tudo entremeado pelo chamado do selvagem, de que já falava Jack London. É uma releitura perturbada de fábulas, histórias de amor e da vida dos santos”, afirma o escritor.

A atividade como docente na UFSCar e como gestor da Coordenação de Cultura da Pró-Reitoria de Extensão (ProEx), onde é coordenador, também é apontada pelo autor como um espaço de interlocução privilegiado. Segundo ele, a universidade e o jornalismo têm sido lugares de atuação do escritor. “Muito embora nenhum dos dois se confunda com a literatura, ambos podem vir a permitir a proximidade ao literário e ao negócio da literatura. Pode-se passar uma vida num curso de literatura sem ser escritor, mas é um bom lugar para um escritor estar”, enfatiza Alves-Bezerra, que também reflete sobre a escrita no cotidiano, em espaços como a tradução, a resenha literária, a aula, o artigo, a palestra. “Escrever literatura não é uma ilha. A linguagem que faz o artigo, faz o delírio. E depois é preciso disciplinar o escrito, nos mecanismos de circulação”, finaliza o escritor.

O livro pode ser adquirido no site da EdUFSCar, em www.editora.ufscar.br. No evento de lançamento, que ocorre no Sesc São Carlos, a partir das 20 horas, haverá sessão de autógrafos e um bate-papo entre o escritor e o jornalista Rinaldo Gama, editor-senior da Revista Veja. O Sesc fica localizado na Avenida Comendador Alfredo Maffei, 700, Jardim Gilbertoni.

Sobre o autor – Wilson Alves-Bezerra possui graduação em Letras Espanhol-Português pela Universidade de São Paulo (2001), mestrado em Letras (Língua Espanhola e Literatura Espanhola e Hispano-Americana) pela Universidade de São Paulo (2005) e doutorado em Letras (Literatura Comparada) pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2010). Atualmente é coordenador de Cultura da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), onde atua – como professor adjunto – na graduação e no Programa de Pós-graduação em Estudos de Literatura. É autor de Reverberações da fronteira em Horacio Quiroga (Humanitas/FAPESP, 2008) e Da clínica do desejo a sua escrita (Mercado de Letras/FAPESP, 2012). Tradutor de Horacio Quiroga e de Luis Gusmán. Colabora como resenhista em O Globo, O Estado de S. Paulo e Zero Hora. Sua tradução de Pele e Osso, de Luis Gusmán, foi finalista do Prêmio Jabuti 2010, na categoria Melhor Tradução Literária Espanhol-Português.

Ascom UFSCar

Bianna Golodryga Goes Behind the Scenes at The Gap
free games online May be that is the meaning of

How to Create Your Own Princess Nursery
online games A blouse may be referred to as

Fashion and style with 8 wardrobe basics
cheap wedding dresses such as the tall window and some of the crown molding

Growth Habits of the Old Fashioned Lilac
cheapest flights what will he do to Lirin

Look more beautiful and feminine with attractive and beautiful nails
forever 21 specifically what job attributes are needed to be a designer

Star launches iPhone app to discover New York City during Fashion Week
free online games How to Become a Merchandiser

The New Hair Cosmetic for Grey Hair
miniclip Try these casseroles soon

Sexy Lingerie For Valentines Day
kleider They’ll select a few different palettes for each season

Compartilhar