Home Universidades Federais Univasf realiza campanha para cadastro de doadores de medula óssea no Campus Ciências Agrárias

Univasf realiza campanha para cadastro de doadores de medula óssea no Campus Ciências Agrárias

0
0

A ação é uma iniciativa dos estudantes da disciplina de Hematologia do curso de Ciências Biológicas da Univasf que, pela segunda vez, realizam o cadastro de possíveis doadores de medula óssea. O cadastro é o primeiro passo para se tornar um doador. É preciso levar um documento oficial com foto e o interessado irá preencher uma ficha contendo seus dados pessoais. Os futuros doadores também irão assinar um Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE).

A equipe do Hemope estará presente para fazer a coleta de 5ml de sangue venoso de cada doador para realização do exame histocompatibilidade (HLA), um teste de compatibilidade de características genéticas. Os dados pessoais e o resultado do HLA serão inseridos no Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea (Redome). A doação só pode ser realizada quando, após exames de compatibilidade genética, houver um paciente com a possível compatibilidade. Neste caso, o possível doador será consultado para decidir sobre a doação.

Para se tornar um doador de medula óssea é necessário: ter entre 18 e 55 anos de idade, estar em bom estado geral de saúde, não ter doença infecciosa ou incapacitante; e não apresentar doença neoplásica (câncer), hematológica (do sangue) ou do sistema imunológico. O doador não precisa estar em jejum e pode apresentar peso inferior a 50kg.

O processo pode até parecer simples, mas de acordo com Instituto Nacional de Câncer (INCA), as chances de se encontrar um doador compatível entre irmãos é de 30%, e na população geral do país as chances aumentam de 1 em 100.000 habitantes. Segundo o professor do Colegiado de Ciências Biológicas Diego César Nunes da Silva, esta difícil compatibilidade genética se dá pela miscigenação da sociedade brasileira. “A nossa sociedade é muito miscigenada, o que do ponto de vista genético dificulta a compatibilidade entre os indivíduos”, conta. O professor diz que é importante a sociedade se engajar em ações de cadastro de medula óssea para que seja possível aumentar o número de pessoas compatíveis. “É fundamental a participação das pessoas, pois dependemos da sociedade para salvar vidas”, finaliza ele.

Carregue mais artigos relacionados
Carregue mais em Universidades Federais

Deixe uma resposta

Vejam também

UFV – Aula Magna com presidentes da SBPC e da Andifes lota Espaço Fernando Sabino e debate desafios e perspectivas da ciência e educação superior

  Dentro da programação de acolhimento aos calouros e para abrir o primeiro semestre …