Home Andifes A maioria dos melhores cursos de graduação do País está nas universidades federais, segundo o Enade

A maioria dos melhores cursos de graduação do País está nas universidades federais, segundo o Enade

0
0

O Sistema Público de Universidades Federais oferta a melhor formação de recursos humanos e produção de conhecimento do Brasil, é o que mostra o resultado do Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade) 2019. O índice, divulgado essa semana pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), mede a qualidade dos cursos com base no desempenho dos alunos e mostra que as instituições federais se mantêm como referência na formação de profissionais.

A prova avalia o conhecimento de graduandos no último ano dos cursos, com notas que variam de 1 a 5. Dos 510 cursos de graduação que receberam a nota máxima no Conceito Enade, cerca de 70% são de universidades federais. A edição 2019 realizou a avaliação nos cursos de ciências agrárias, ciências da saúde, engenharias, arquitetura e urbanismo; e nos cursos tecnológicos de ambiente e saúde, produção alimentícia, recursos naturais, área militar e segurança.

Reconhecidas como patrimônio dos brasileiros, as universidades federais oferecem ensino superior público, gratuito, inclusivo e de qualidade, contribuindo não apenas com a formação dos profissionais mais capacitados, mas com o desenvolvimento das regiões onde estão inseridas, de Norte a Sul do Brasil. Nem mesmo os desafios impostos pela pandemia do novo Coronavírus foram capazes de paralisa-las. Ao contrário, elas se apresentaram como grandes aliadas da sociedade, desde o primeiro momento, para o enfrentamento desse vírus e dos desafios impostos pela pandemia, por meio de seus laboratórios, de sua estrutura e de seus pesquisadores.

Expansão universitária e lei de cotas
O conceito do Enade vem comprovando, a cada edição, que a qualidade dos cursos se manteve, ao mesmo tempo que as universidades ampliavam a oferta de cursos e vagas. A expansão e a interiorização de campi, junto a políticas de inclusão, como a lei de cotas, garantiram o acesso dos estudantes que realizaram o exame. É importante lembrar que, de acordo com a V Pesquisa do Perfil Socioeconômico dos Estudantes de Graduação das Universidades Federais, 26,61% dos alunos das universidades federais têm renda per capita de até meio salário mínimo, 26,93% de até um salário mínimo, e 16,61% de até um salário e meio, totalizando 70,2% de estudantes abaixo de um salário e meio. Entre os estudantes cotistas, 48% têm renda mensal familiar de até meio salário mínimo. Além disso, 51,2% dos estudantes da graduação são negros. Quanto à origem escolar, o levantamento revelou que 64,7% dos estudantes cursaram o Ensino Médio integramente ou na maior parte do tempo em escolas públicas. Esse é o perfil dos estudantes dos cursos que receberam as melhores notas no Enade.

Qualidade permanente no ensino
De acordo com o presidente da Andifes (Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior), reitor Edward Madureira (UFG), o resultado do Enade confirma uma trajetória que se mantém positiva a cada nova avaliação. “As universidades federais mantêm a boa avaliação e isso é fruto de investimentos, de professores e outros profissionais capacitados e com dedicação exclusiva. A expansão universitária, com inclusão, também é um fator relevante e que certamente contribui de forma direta na manutenção da qualidade dos nossos cursos. É bom lembrar que são as universidades federais as responsáveis pela maior parte da pesquisa realizada no país. A universidade federal forma profissionais e cidadãos”, afirmou Madureira.

O vice-presidente regional Norte da Andifes, Hugo Diniz, reitor da Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA), concorda que o bom resultado no Enade é reflexo da qualificação do corpo docente e técnico das universidades federais e ao acesso democrático, tanto de servidores quanto de estudantes. “São fatores que trouxeram uma diversidade de saberes, de vozes e diálogos das comunidades”, detalha. Diniz acredita que a avaliação positiva deva sensibilizar o executivo e o congresso na hora de decidir sobre o orçamento a ser investido no ensino superior público em 2021. Em agosto, o ministro da Educação falou à diretoria da Andifes sobre a possibilidade de reduzir até 18,2% na proposta de orçamento da União para 2021, afetando as universidades federais de todo o país. “Qualidade não se faz sem investimento, e nós precisamos buscar a manutenção dessa qualidade que é oferecida a todos os brasileiros”, defende o reitor.

Para a vice-presidente regional Sudeste da Andifes, a reitora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Denise Pires Carvalho, o mérito da boa avaliação é tanto dos servidores quanto dos estudantes das universidades federais. “O excelente resultado das universidades públicas nos orgulha. Esse resultado é o produto de um trabalho árduo e dedicado por parte dos seus servidores técnicos e docentes, todos concursados e a maior parte atuando em dedicação exclusiva nas atividades de ensino, pesquisa e extensão. Esse modelo de ensino faz enorme diferença e depende dos servidores altamente qualificados envolvidos e dos nossos estudantes que se dedicam muito às atividades acadêmicas propostas”, comemora.

José Daniel Diniz Melo, vice-presidente regional Nordeste da Andifes e reitor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), compreende a boa avaliação das universidades pelo Enade como uma consequência natural do planejamento e da dedicação das comunidades acadêmicas. “Estamos sempre incentivando o desenvolvimento de metodologias e recursos didáticos, melhorando a aprendizagem nos componentes curriculares, contribuindo para a diminuição de trancamentos, reprovações e evasão, além de incentivar a interdisciplinaridade.  Assim, reafirmamos nosso compromisso com a qualidade acadêmica e com o desenvolvimento socioeconômico do nosso país”, declara José Daniel.

A resistência e o compromisso com a qualidade do ensino são características que contribuem para que as universidades federais recebam as melhores notas nas avaliações no Enade, segundo o vice-presidente regional Sul da Andifes, reitor da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Ubaldo Balthazar. “Mesmo com tantas ameaças, contestações e cortes, as universidades públicas superam desafios pela resistência de seus estudantes, técnicos e docentes. Nosso compromisso é com a qualidade”, finaliza o reitor.

Carregue mais artigos relacionados
Carregue mais em Andifes

Deixe uma resposta

Vejam também

Duas novas plantas são descobertas por pesquisadores da Universidade Federal de Uberlândia

Do gênero Microlicia, espécies foram encontradas em Uberlândia, Uberaba, na região central…