Home Universidades Federais UFMA já realizou mais de 1.000 atendimentos psicológicos, psiquiátricos e clínicos durante a pandemia

UFMA já realizou mais de 1.000 atendimentos psicológicos, psiquiátricos e clínicos durante a pandemia

0
0

Vinculada à Pró-Reitoria de Assistência Estudantil (Proaes) da Universidade Federal do Maranhão, a Divisão de Educação em Saúde (Desa) atingiu a expressiva marca de mais de 1.000 atendimentos a discentes em todos os campus da Universidade durante a pandemia, disponibilizando atendimentos psicológico, psiquiátrico e clínico. Atualmente, a divisão é composta por quatro psicólogos, um médico psiquiátrico e profissional clínico, e os atendimentos são realizados de forma híbrida, na modalidade remota e presencial, em alguns casos.

Para ser atendido, o discente de qualquer curso da Universidade deverá encaminhar um e-mail para educsaude.proaes@ufma.br com sua solicitação. Em seguida, o estudante preenche um formulário on-line e aguarda a equipe da diretoria entrar em contato com possibilidades de dias e horários de atendimentos.

A psicóloga e coordenadora da Desa, Daniele Palácio Queiroz, explicou que, com a pandemia, a equipe profissional de saúde e administrativa da Diretoria estudou formas de continuar assistindo os alunos da Universidade. “Após estudos e avaliações, chegamos à conclusão de que os atendimentos poderiam ser feitos no sistema remoto, pelo Google Meet. Daí, veio outro problema: como vamos assistir esses alunos sem internet? Boa parte dos estudantes da Universidade são vulneráveis socioeconomicamente e não possuem computadores, tablets e smartphones. Verificamos então que a própria Universidade detém editais que fornecem chips e tablets, e isso possibilitou o atendimento de vários discentes”, comentou.

Daniele Palácio detalhou que os procedimentos são divididos em três categorias: o atendimento psicológico, feito pelo quadro de psicólogos da Desa, em que o discente comunica alguma queixa emocional que esteja impedindo-o de ter qualidade de vida; o atendimento psiquiátrico, realizado por um médico com formação em psiquiatria, em que, nesse caso, é feita uma triagem nos atendimentos psicológicos para verificar se o paciente tem o perfil de atendimento psiquiátrico, como crise aguda, depressão ou crise de ansiedade e/ou se há necessidade de medicação; e o atendimento clínico, no qual o estudante relata o que está sentindo, como queixas físicas, em que é realizado um diagnóstico dessas dores e são feitos exames clínicos para averiguar o motivo das queixas.

A coordenadora pontuou que, durante a pandemia da covid-19, muitos alunos começaram a procurar atendimentos na Diretoria e que o quantitativo aumentou comparado aos atendimentos presenciais realizados antes da pandemia: “Aplicamos um questionário de satisfação ao final de cada atendimento e constatamos que diversos casos estão correlacionados diretamente à pandemia, como a diminuição da sociabilização entre os estudantes; a falta de liberdade de transitar nos espaços, pois a Universidade é um espaço que possibilita a convivência e trocas entre alunos e professores; a questão social e econômica, como perda de empregos, diminuição de renda; a adaptação à tecnologia, já que muitos estudantes não têm uma estrutura adequada para estudar de forma remota em casa”.

Na análise dela, são muitos desafios nesse processo, porém a equipe obteve um bom resultado na pesquisa de satisfação, com os agradecimentos dos discentes. “As relações sociais e atividades físicas protegem de doenças mentais. Tudo que não está andando bem em nossas vidas afeta o nosso bem-estar e é preciso ser observado com muita atenção. Qualquer dúvida ou mal-estar, um profissional da saúde deve ser consultado. Não se pode falar de saúde sem falar de saúde mental. Inclusive, com a volta das aulas ao regime presencial, vamos repensar a possibilidade de os atendimentos permanecerem no regime on-line”, sinalizou.

De acordo com o médico psiquiátrico da Dase, Danilo Madeira Campos Gonçalves, o teleatendimento da Diretoria possibilitou fluidez na procura dos atendimentos, pela facilidade do agendamento por e-mail, pelo atendimento ser realizado em qualquer local de preferência do paciente e pelo retorno do agendamento poder ser feito em tempo oportuno. “Estamos conseguindo atender todos os alunos da capital e do continente. Houve melhora significativa na adesão dos estudantes, atendemos desde casos que são mais agudos, como também adaptações à vida universitária e ao ensino a distância, damos orientações clínicas e, em alguns casos, prescrevemos receitas”, ressaltou.

Por fim, Danilo Madeira enfatizou que muitos discentes estão com boa evolução em seus tratamentos, com o apoio dado nos atendimentos de qualidade proporcionados pela equipe de saúde da Diretoria. “É um serviço de apoio para todo o corpo discente de graduação da UFMA. É importante destacar que o atendimento clínico possibilita a observação de casos de pós-covid. É desenvolvido um trabalho bem global de atenção nesses casos, com acompanhamento de caráter de orientação ambulatorial e que, em alguns casos, são repassados para ser dada continuidade na rede pública de saúde do estado ou do município”, finalizou.

Carregue mais artigos relacionados
Carregue mais em Universidades Federais

Deixe uma resposta

Vejam também

UFRRJ – Projeto digitaliza 15 mil arquivos de cordéis brasileiros

A ação de extensão colocou todo o acervo da Academia Brasileira de Literatura de Cordel em…