Home Universidades Federais UFMS – Pesquisa revela que mais de 40% dos anfíbios do mundo estão ameaçados de extinção

UFMS – Pesquisa revela que mais de 40% dos anfíbios do mundo estão ameaçados de extinção

0
0

O colapso climático, a destruição de ecossistemas causada pelo homem e as doenças potencializadas pelos dois fatores anteriores levaram 2 entre 5 anfíbios ao risco iminente de extinção. A conclusão que revela a crise na fauna é resultado de um extenso trabalho divulgado na Revista Nature, produzido por mais de mil cientistas do mundo todo e, entre eles, um pesquisador da UFMS.

O trabalho reúne dados científicos produzidos nos últimos vinte anos sobre o status de conservação de cerca de 8 mil espécies de anfíbios, considerados os animais mais ameaçados do planeta. Destas, 41% são classificadas como extintas, criticamente ameaçadas, em perigo ou vulneráveis. A avaliação também conclui que, desde 1980, 120 espécies de anfíbios tiveram melhoria nos status de conservação devido a medidas de proteção.

A partir do trabalho, o intuito é priorizar ações de conservação a nível global e promover políticas de conservação para reverter o grave cenário. Para o co-autor do estudo e professor do Instituto de Biociências da UFMS, Diego Santana, reunir dados para além de fronteiras é fundamental nesta busca por soluções. “Fazer conservação de espécies a nível regional é super importante, mas existem espécies que estão espalhadas em mais de um país e com ameaças em comum. Então juntar esse time de pesquisadores do mundo todo é uma forma extremamente eficiente de planejar como conservá-los”, enfatiza.

A avaliação anterior produzida a nível global foi divulgada em 2004 e já elencava diversas ameaças estabelecidas a esses animais, como doenças e destruição dos seus habitats. Segundo o professor Diego, a principal novidade do estudo atual é a avaliação do impacto das mudanças climáticas, que constituem a principal ameaça para 39% dos anfíbios. “Pela primeira vez, a gente está provando que as mudanças climáticas estão causando extinção de anfíbios agora, no presente. Infelizmente, muitas espécies ainda podem ser extintas pelo mesmo motivo”, alerta.

O Brasil concentra a maior biodiversidade de anfíbios do mundo, sendo lar de mais de 1,2 mil espécies de sapos, rãs, salamandras, entre outros. No estudo divulgado em 2004, 37 espécies encontradas no Brasil foram classificadas em algum grau de ameaça. Já de acordo com a publicação atual, 189 espécies se encontram criticamente ameaçadas, em perigo ou vulneráveis. Além disso, 26 espécies foram definidas como possivelmente extintas, já que não foram avistadas em ambientes naturais desde a década de 1980 ou antes.

Os anfíbios são animais que estão tanto no ambiente aquático quanto no ambiente terrestre e, quando encontrados em um determinado ecossistema, são importantes indicadores da saúde ambiental. Segundo Diego Santana, a extinção dessas espécies implica em um grave desequilíbrio para os ecossistemas. “Eles são predadores de vetores de doenças, de pragas de plantações. Se forem extintos, perdemos esses serviços e a saúde dos ecossistemas. Mas precisamos pensar além da importância de um animal para o ser humano para conservá-lo. Se aqueles animais existem é porque tem todo um histórico evolutivo, toda uma carga genética importante do ecossistema que a gente tem que proteger. A gente não pode perder toda essa diversidade”, conclui.

Texto: Alíria Aristides

Fotos: Arquivo do pesquisador Diego Santana

Carregue mais artigos relacionados
Carregue mais em Universidades Federais

Deixe um comentário

Vejam também

Andifes trata sobre recomposição orçamentária das universidades federais com ministra Simone Tebet

A diretoria executiva da Andifes se reuniu com a ministra do Planejamento e Orçamento, Sim…