“As universidades cumprem um papel estratégico no desenvolvimento do País”, afirma presidente da Andifes
Andifes lança selo comemorativo de 30 anos
Em documento enviado ao STF, como Amicus Curiae, Andifes reforça inconstitucionalidade do “Escola Sem Partido”

Vídeos

Áudio

Eventos

Não há Eventos

Enquete

Qual a sua opinião sobre a reforma do Ensino Médio?

Ver Resultados

Loading ... Loading ...

Artigos

Mais mulheres na ciência: um desafio de todos nós

Márcia Abrahão A presença de mulheres na academia tem sido crescente. A título de exemplo, na Universidade de Brasília (UnB), somos maioria entre os estudantes de graduação, mestrado, doutorado e na residência médica. Também temos mais mulheres como técnicas administrativas. Só perdemos numericamente entre os docentes: há 241 professores homens a mais do que o quantitativo de professoras. Os dados nacionais a respeito da participação feminina em publicações científicas também são animadores. Segundo um relatório de 2017 da editora científica Elsevier, o Brasil é um exemplo da emergência da produção científica e intelectual de mulheres. Entre os anos de 1995 e 2015, elas passaram a assinar metade dos artigos científicos produzidos no país. Trata-se de um avanço considerável, uma vez que, no período anteriormente analisado (1996 a 2000), eram responsáveis por 38% das publicações. Mesmo com esses resultados, ainda há uma série de desafios a serem superados, principalmente no que diz respeito à representação feminina em degraus mais altos da carreira. Dos 15.161 pesquisadores brasileiros que recebem a bolsa de produtividade em pesquisa do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) –– paga aos cientistas que mais se destacam em suas áreas –– 5.388 são mulheres (35,5% do total). Somos poucas também entre os pesquisadores seniores do órgão (que representam o mais alto grau na hierarquia): 42 de 161. Há áreas –– como engenharias, ciências agrárias e linguística –– sem nenhuma mulher como pesquisadora sênior. Outro problema é a baixa presença de mulheres em cargos de gestão acadêmica. Das 68 universidades públicas federais, apenas 19 (28%) têm reitoras. Na UnB –– embora eu seja a primeira reitora e cinco dos oito decanatos sejam geridos por mulheres ––, o desequilíbrio aparece na chefia das unidades acadêmicas. Dos 25 institutos e faculdades, apenas seis são liderados por docentes do sexo feminino. Parte das razões por trás desse quadro está relacionada aos papéis sociais de gênero e à falta de regulamentação para situações específicas, como a licença-maternidade. Embora os principais órgãos financiadores da ciência no Brasil prevejam mecanismos como o afastamento da pesquisadora ou a prorrogação do pagamento de bolsas após o nascimento de um bebê, o período significa uma pausa na produção científica. Consequentemente, muitas mulheres deixam de ter participação constante, em condições de igualdade em relação aos homens, em diversas seleções para bolsas e editais de financiamento, uma vez que o volume de artigos publicados conta pontos. Costuma-se estabelecer, a partir desse momento, uma distância entre a nossa produção científica e a deles, por vezes com efeitos cumulativos que explicam por que cientistas do sexo masculino ainda são a maioria nos níveis mais altos da carreira. As políticas públicas que compreendam a maternidade como função social –– exercida, inclusive, pelas cientistas –– são necessárias para mudar esse quadro. Não é somente isso, contudo, que trará efetiva equidade de gênero na ciência. É preciso também identificar e combater o preconceito contra mulheres enraizado cultural e institucionalmente –– algo que não é exclusividade do Brasil. Nesse sentido, vale destacar um estudo publicado pela revista Nature, uma das mais importantes do meio científico, no ano passado, sobre a menor presença de mulheres no trabalho de revisão de artigos para os periódicos da União Geofísica Americana (AGU, na sigla em inglês). Os autores analisaram dados relativos à idade e ao gênero dos revisores de artigos científicos entre os anos de 2012 e 2015, em todos os periódicos da AGU. O levantamento mostrou que as mulheres foram revisoras de conteúdo menos vezes do que o esperado, considerando o quantitativo total delas como membros da União, bem como o volume de suas publicações nas revistas da. Leia Mais

8 de março: basta de violência contra as mulheres. Em defesa da democracia

O dia 8 de março, consagrado pela Organização das Nações Unidas (ONU) como o Dia Internacional da Mulher, nos reforça o sentimento de que a sociedade brasileira reage com indignação com a condição da mulher no Brasil, covardemente vitimizada em pleno século 21 por meio das mais diferentes manifestações de violência e injustiças. 

Editoras Universitárias

Editora UFMG lança livro “Por que sonhamos?”

No dia 23 de março, o selo infanto-juvenil Estraladabão, criado em 2018 pela Editora UFMG, lançará o livro Por que sonhamos?, organizado pelas professoras Débora Reis, do Instituto de Ciências Biológicas (ICB) da UFMG, e Carla Coscarelli, da Faculdade de Letras (Fale) da UFMG. O lançamento acontece a partir das 11h, no Espaço do Conhecimento UFMG, com show musical e sessão de autógrafos. A entrada é franca e o museu fica na Praça da Liberdade, 700, Funcionários – Belo Horizonte

Editora da UFGD convida para o 3º lançamento coletivo de obras

Serão lançados 25 livros, de diferentes áreas do conhecimento A Editora da UFGD convida toda a comunidade douradense para a 3ª edição do Lançamento Coletivo de Obras, que acontecerá no dia 03 de abril de 2019, às 19 horas, no Cine Auditório da Unidade I/UFGD. Serão lançados 25 livros, de diferentes áreas do conhecimento, finalizados entre os anos de 2017 e 2019.